Brasil, o país do futuro…do subjuntivo – Artigo

Joaquim Francisco de Carvalho *

O Brasil tem grandes extensões de terras férteis e um clima muito favorável para a agricultura. Suas reservas de minérios de valor estratégico são das maiores do planeta e as fontes renováveis de energia colocam o país em posição de vantagem, em relação a países de escala comparável.
Em 2.016, o produto interno bruto foi estimado pelo IBGE em cerca 6,266 trilhões de reais (1,8 trilhões de dólares), o que situava a economia brasileira entre as 8 maiores do mundo.
No entanto, em seu relatório sobre o desenvolvimento humano publicado em 2.016, o PNUD (Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento) colocou o Brasil na 75ª posição, numa lista de 188 países classificados em função do Índice de Desenvolvimento Humano (IDH). Nessa lista, o Brasil fica em posição inferior à de países como o Sri Lanka, Cuba, Costa Rica e Malásia.
Na classificação pelo IDH, atribui-se importância secundária ao PIB (indicador puramente quantitativo) e avalia-se o bem-estar e o desenvolvimento das populações em função do acesso à educação, assistência médica, alimentação, saneamento, habitação, enfim, a tudo se reflita na qualidade de vida dos indivíduos e da coletividade. Um país realmente rico não é apenas aquele que gera um grande PIB, mas aquele que investe racionalmente no campo social e distribui equilibradamente entre a população, a riqueza criada.
Apesar da extraordinária riqueza natural, a qualidade de vida da maioria da população brasileira é degradante.
A origem desse paradoxo está na ignorância, na imprevidência e na insensatez com que os governantes – pensando só em seus interesses imediatos ou pessoais – tomam decisões erradas sobre assuntos básicos, sem considerar o interesse público nem analisar os possíveis impactos intersetoriais de suas decisões, no médio e no longo prazo.
Em outras palavras, o Brasil é governado de improviso e administrado por políticos ignaros e corruptos, incapazes de definir estratégias inteligentes, para atingir objetivos realistas, compatíveis com as potencialidades do país.
Não sejamos ingênuos a ponto de pensar que a corrupção brasileira só começou no governo do presidente Kubistchek, com a construção de Brasília. Na verdade, o mal é antigo. Mas a grande escalada veio com o presidente Sarney e sua famiglia, principalmente no assalto ao sistema elétrico.
Seguiu-se o sarcástico FHC, pessoalmente sério, mas que deixou passar o imperdoável erro estratégico de privatizar grandes hidrelétricas – e, pior, já amortizadas e na bacia das almas.
Porém é inegável que foi nos governos Lula, Dilma e Temer que se instalou o primado dos ladrões, institucionalizou-se a corrupção e consolidou-se a “cleptocracia”, ou corrupção como forma de governo.
Por força da sede de dinheiro e da perversão das relações entre presidentes, ministros, parlamentares, diretores de estatais e empresários sem escrúpulos, empresas estratégicas, outrora riquíssimas, como a Petrobrás e a Eletrobrás, foram esburgadas pelos cleptocratas.

Muitos ex-presidentes e ex-diretores dessas estatais enriqueceram em seus cargos e estão soltos por aí.
Ao lado desses, há aqueles que preferiram entrar na politiquinha com p minúsculo, à espreita de vantagens pessoais. Foi um pulha desses, hoje deputado pelo PT-SP, que teve a desfaçatez de apresentar, no mês passado, um projeto de lei (a “Emenda Lula”), que aumenta de 15 dias para 8 meses o prazo em que os candidatos às eleições de 2018 não poderão ser presos.
Velhacos assim ignoram o que vem a ser o múnus público ou a missão de um governo digno desse nome. E nem querem saber que, por culpa deles, o Brasil vive uma tragédia social, com episódios de guerrilha urbana cada vez mais frequentes e violentos.
Os píncaros da indecência foram galgados pelo presidente Temer, com o seu curioso gestual e sua vocação de comprador de deputados.
Diz o velho refrão português que “o peixe começa a se putrefazer pela cabeça”. Pois é isto que está acontecendo com o Brasil: a “cabeça” do país está podre. São parlamentares venais, ministros achacadores, certos empresários sem escrúpulos e até presidentes, a ameaçar de gangrena o país inteiro.
A sociedade tem que reagir, promovendo uma completa substituição dos quadros políticos, algo semelhante ao que aconteceu há poucos meses na França.
Enquanto a cabeça podre não for removida, o Brasil seguirá caminhando no futuro do subjuntivo: Quando os políticos forem honestos, o país poderá desenvolver-se e os brasileiros sairão da miséria…
_______________________________
* Joaquim de Carvalho, engenheiro nuclear, foi diretor industrial da Nuclen (atual Eletronuclear).

Compartilhe

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *