O desejo e a realidade – Uma observação do ILUMINA.

Todos nós, brasileiros, desejamos que o Brasil saia desse “buraco negro” em que se encontra. Afinal, já está difícil encontrar uma situação externa para justificar a recessão que tanto mal faz à população.

Percebe-se que a voz dominante na imprensa é a de dizer que “o pior já passou” e que já há sinais de recuperação. Um desses indicadores é o consumo de energia elétrica que, sob economia estável, sobe como se fosse o levantamento de um voo. Veja o trecho 2010 – 2014 abaixo.

O gráfico mostra a evolução da carga do sistema interligado (linha vermelha). Analisar recuperações baseado na linha vermelha é altamente arriscado, pois há meses de muito calor e até com número de dias úteis distintos. Comparar meses em anos diferentes nada revela.

A linha preta é a média móvel de 12 meses desses dados. O que essa linha nos diz é que desde março de 2014 a carga está estagnada!

Marcamos inclusive os dois pontos onde se percebe que a média março de 2014 é maior do que a média de fevereiro de 2017. Se o consumo de energia elétrica é um indicador de atividade econômica e se uma média de 12 meses de 3 anos atrás é maior do que a média atual, não há dúvidas de que a economia parou.

Depois do racionamento de 2001, a carga se reduziu 15%. Nós já estamos com uma redução de quase 10%. Lembramos que é possível induzir um racionamento via preços, que é o que tem acontecido agora.

Lamentamos, mas não há sinais consistentes de recuperação do consumo de energia.

 

Compartilhe

      1 comentário para “O desejo e a realidade – Uma observação do ILUMINA.

    1. José Antonio Feijó de Melo
      10 de março de 2017 at 11:07

      É isso aí Roberto
      Infelizmente a nossa economia caiu nesse “buraco negro” e até agora não parece mostrar nenhum sinal de reação efetiva. E se alguém imagina que vamos sair daí apenas com o tal “ajuste fiscal”, pode tirar o cavalinho da chuva.
      Sem um projeto consistente para o País, não vamos sair do lugar, senão talvez até piorar.

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *